30
Nov
2016
0

Premiere de Moana nos Disney’s Polynesian Resort: eu fui!

Já aviso aos navegantes que não é mais um conto de fadas! Moana, a mais nova personagem do mundo mágico, mostrou que essa história de príncipe encantado ficou no passado. Nos dias de hoje, princesas são meninas normais que usam roupas simples e não precisam fazer a “santa” chapinha todos os dias.

Moana em pessoa

O filme estará nos cinemas em janeiro de 2017 no Brasil, mas o mesmo já teve seu “debut” no Disney’s Polynesian Resort, em plena praia com o castelo da Cinderela logo ao lado.

Cineminha na praia

Foi-se o tempo que o objetivo de uma menina de 15 anos era casar com o homem perfeito, que a resgatasse do alto do seu cavalo branco. Atualmente, o que está em voga é ir em busca do seus sonhos sem depender de vivalma. Se bem que Maui, semideus e herói secundário do filme, tem papel relevante na busca de salvar o mundo com a heroína polinésia. Seus diálogos com suas tatuagens dão o toque cômico ao filme, que igualmente apresenta um enredo de amizade, amor pela família e pelo mundo como um todo.

Moana e Maui

“Trabalhamos 5 anos com 800 pessoas para que Moana virasse realidade. Nós vimos o filme como a jornada de uma heroína, diferentemente das tradicionais histórias de princesas”, diz Ron Clements, um dos diretores.

Moana e Maui

A trilha sonora, interpretada por Alessia Cara, é revelada no videoclipe que exibe uma menina sem preocupações com a roupa que veste, com o corpo em forma ou com o rosto pintado, mas com a voz que clama descobrir o quão longe nós podemos ir atrás do que nos é caro. No caso, a ilha natal de Moana conhecida por Te Fiti.

Um filme que me emocionou – lá vai a manteiga derretida falando – e que recomendo para todos os gêneros e idades. E para os diretores, deixo aqui meus agradecimentos por cenas lindas, principalmente, as da Moana quando bebê: um aquário que gostaria que fosse real e um relacionamento de avó e neta, que perdurasse por toda vida. Assistam e vocês me entenderão!

25
Nov
2016
0

Novo show de Natal da Disney tem drones iluminando o céu de Disney Springs

Sou dessas que se emociona com shows da Disney. No entanto, como já faz um tempo que moro em Orlando, me acostumei com eles de tal forma que as lágrimas já não brotam com tanta frequência, embora uns arrepiozinhos teimam em, inevitavelmente, subir pela minha espinha (risos), quando assisto um show do Magic Kingdom chamado Celebrate the Magic (Celebrando a magia).

Acontece que já estava com saudades de sentir os olhos lacrimejando, seguidos daquela sensação de primeira vez. Até achava que não haveria mais algo que pudesse causar todas as descargas elétricas pertinentes à surpresa, quando me enganei completamente.

Neste ano, nós teremos a chance de ver a Disney em parceria com a Intel explorar a nova tecnologia de 300 Intel “Shooting Star” (estrela cadente) show drones tomando o céu de Disney Springs, complexo de lojas, restaurantes e entretenimento, para dar um verdadeiro show de magia, o “Starbright Holidays”.

O espetáculo marca a primeira vez que 300 show drones flutuam de uma única vez nos Estados Unidos. Estes drones são sistemas de LED que “voam” capazes de criar acima de 4 bilhões de combinações de cores. Cada um pesa um pouco mais de 220 gramas, medem apenas 30cm e são feitos de plástico e espuma, para manter a segurança. O que esses pingos de “robôs” conseguem fazer no céu é obra de uma plataforma para espetáculos aéreos que a Intel criou.

“Os drones comunicam-se wirelessly (sem fio) com o computador. Eles não se comunicam um com o outro”, disse Josh Walden – gerente geral do grupo de tecnologia da Intel. “Você os programa para o show de luzes antes e depois eles trabalham independentemente”.

Starbright Holidays - Disney Springs
Olha… não sei como é possível, até porque estou a anos luz de ser um gênio da tecnologia. Agora de emoção à flor da pele eu entendo bem e posso garantir que minha visão não será mais a mesma, depois de ter testemunhado estes benditos show drones formando figuras natalinas sincronizadas e coreografadas em conjunto com canções de natal clássicas. Contudo, o que me arrebatou os olhos, o coração e todos os sentidos, deixando minhas sinapses alteradas foi contemplar a formação do Espírito Santo e vê-lo desenfeixar ao som de Noite Feliz. Sem palavras!
4
Oct
2016
0

Onde tomar brunch na Disney?

Nós, brasileiros, bem sabemos que é nosso costume ter um almoço especial aos domingos. Aqui nos Estados Unidos, os americanos também fazem algo especial. No entanto não é nem café da manhã (breakfast) e nem almoço (lunch), mas uma mescla dos dois conhecido pelo nome de brunch. É muitíssimo comum hotéis e restaurantes servirem essa refeição aos domingos. Só que aqui em Orlando a coisa estava meio a desejar nesse quesito, até que o Narcoossee’s e o California Grill, dois restaurantes categoria de luxo da Disney, lançaram o deles há bem pouco tempo. O Water Brunch e o Brunch at the Top, respectivamente.

Tive o prazer de ser convidada para provar dos dois, assim de uma cajadada só! (risos). Começamos pelo Narcoossee’s que fica em um dos hotéis mais sofisticados da cidade, o Disney’s Grand Floridian Resort. O chef veio até a mesa e nos deu uma mini aula sobre os ingredientes e pratos servidos.

Sempre há drinques da manhã envolvidos como: Mimosa (champagne e suco de laranja) e o Bloody Mary (vodka e suco de tomate). Minha entradinha preferida foi o shrimp and grits (camarão e um purê de milho) muito comum no sul do país. O ceviche estava bem fresco e como uma apaixonada Eggs Benedict, fiquei fã da versão deles com lagosta – devo acrescentar que o restaurante é especialista em frutos do mar. A French toast (torrada francesa) também estava deliciosa e a vista para a lagoa Seven Seas aumentava o aguçamento dos sentidos. Paladar e olfato já estavam a todo vapor!

Shrimps and grits

 Eggs Benedict de lagosta

French Toast

De lá seguimos para o California Grill, outro restaurante de luxo do complexo. O toque especial dele é estar no 15° andar do Disney’s Contemporary Resort, ou seja, outra vista de morrer. Acho até que essa é melhor do que a do Narcoossee’s por nos presentear com uma visão mais ampla do reino mágico. De lá podemos ver o castelo da Cinderela e o Disney’s Grand Floridian Resort. Vale ressaltar que ir jantar lá por volta das 21h deixa o coração amolecido, pois é nesse horário, dependendo da época, que o show de fogos Wishes acontece. Um espetáculo à parte e bem ali na sua frente!

 

Disney's Grand Floridian Resort

De entrada muito sushi (amo!), frios, pães diversos e parfaits. Adorei a panqueca de batata doce e o steak (carne). Os biscoitos de geléia de morango, comuns em chás da tarde, me deixaram viciada da silva sauro e vou confessar para vocês que nem pensei em manerar. Tirei essa manhã para completo deleite e não me arrependi um segundinho sequer.

Sushis

 Panqueca de batata doce

Steak

Biscoitos com geléia de morango

O Water Brunch custa $69 (cerca de R$252) por adulto e o Brunch at the Top $80 (cerca de R$292) por adulto. Reserva extremamente recomendada pelo 407 939 -3463 ou no serviço de concierge cosmopolitando@gmail.com

28
Sep
2016
0

Mickey’s Not So Scary Halloween Party na opinião de Queen Elsa

Minha genteeeee queridaaaaaa!!! Finalmente sentei aqui no meu Cosmopolitando amado, para falar de uma das festas que mais amo da Disney, a Mickey’s Not So Scary Halloween. E o motivo de eu amar tanto é exatamente o obalalá de se fantasiar do seu personagem favorito. Pois é, todo mundo pode, literalmente, entrar no mundo de fantasia do Magic Kingdom.

730112

 

A versão 2016 tem algumas mudancinhas, mas nada muito extraordinário. Vou guiar vocês a la “livre estou” , haha, e explicar tim tim por tim tim o que a gente pode fazer nessa festa, que acontece este ano nas noites selecionadas abaixo:

  • Setembro 2, 8, 11, 13, 16, 18, 20, 23, 25, 29, 30
  • Outubro 2, 4, 6, 7, 10, 11, 13, 14, 16, 18, 20, 21, 23, 25, 27, 28, 30, 31

A festa começa oficialmente às 7 da noite, mas quem possui o ingresso pode entrar a partir das 4 da tarde. E é o que recomendo trilhões de vezes. Chegando cedo, vocês vão poder aproveitar as atrações que já estão esvaziando, devido aos não participantes da festa estarem deixando o parque.

img_8745 img_8901

Vocês também podem pegar esse tempo livre para tirar fotos, ou fazer um lanche e manter a energia a toda para as atividades que estão por vir. E pensem no tanto delas! A começar pelo show das irmãs Sanderson:

  • Hocus Pocus Villain Spelltacular – 9:15 p.m., 10:40 p.m., 12 a.m. – Winifred, Mary e Sarah, juntamente com os vilões da Disney vão tomar o palco em frente ao castelo e nos divertir com o jeito atrevido deles.

Depois, vão logo se aquietando pela Main Street para esperar pela:

  • Mickey’s “Boo-To-You” Halloween Parade – 8:30 p.m. and 11:15 p.m. – Minha sugestão é chegar 30 minutos antes para guardar um bom lugar. Ah! Fiquem de olho no cavaleiro sem cabeça. Isso mesmo! Não é a mula. É o cavaleiro. Ele passa bem rápido, mas deixa todo mundo abestado sem saber como aquilo acontece (risos). Novos carros com vilões e personagens vestidos a caráter também vão “arrepiar você”.

img_8900

E o show preferido do meu pobre coração, com projeções no castelo e música a rigor,

  • Celebrate the Magic – acontece às 10 p.m/ Seguido do Happy HalloWishes às 10:15 p.m.

img_8769

Vejam que coloquei os horários para vocês, mas é sempre bom checar nos mapinhas, os quais vocês encontram logo no início do parque (tem versão em português). Dito isso, vocês que vão se organizar de acordo com as vontades de vocês.

No entanto, se vocês querem minha opinião, eu deixaria para assistir a última parada e iria fazer atividades concorridas, enquanto a primeira parada está acontecendo. A maioria das pessoas quer assistir logo o primeiro horário por curiosidade e , também, por ter que ir embora mais cedo por conta das crianças e tal. Mas, se vocês não se importam das crianças dormirem tarde neste dia, ou estão sem crianças, vão tirar fotos com os personagens e fazer trick or treating pegando bombom (no Ceará, a gente chama assim, kkk) nas filas espalhadas por todo o parque. Pode voltar 100x e pegar doces quantas vezes quiser. Não há limites e você pode trazer sua sacoLONA de casa. A que a Disney distribui não dá nem pra fazer “cosquinha”.

Trick or Treat Stations

  • Adventureland
    • Jungle Cruise
    • Walt Disney’s Enchanted Tiki Room
    • Pirates of the Caribbean queue
  • Frontierland
    • Splash Mountain
    • Dock to Tom Sawyer Island
  • Liberty Square
    • Liberty Square Riverboat
    • Heritage House (allergy friendly)
  • Fantasyland
    • Peter Pan’s Flight
    • Pinocchio Village Haus
    • Pete’s Silly Sideshow
  • Tomorrowland
    • Auntie Gravity’s Galactic Goodies
    • Space Mountain
    • Walt Disney’s Carousel of Progress
    • Stitch’s Great Escape!

Atrações também funcionam na noite e abaixo as que funcionam este ano:

 

  • Astro Orbiter
  • Big Thunder Mountain Railroad
  • Buzz Lightyear’s Space Ranger Spin
  • Casey Jr. Splash ‘N’ Soak Station
  • Country Bear Jamboree
  • Dumbo the Flying Elephant
  • Enchanted Tales With Belle
  • Haunted Mansion
  • “it’s a small world”
  • Mad Tea Party
  • Mickey’s PhilharMagic
  • Monster’s Inc. Laugh Floor
  • Peter Pan’s Flight
  • Pirates of the Caribbean
  • Prince Charming Regal Carrousel
  • Princess Fairytale Hall
  • Seven Dwarfs Mine Train
  • Space Mountain
  • Splash Mountain
  • Swiss Family Treehouse
  • Stitch’s Great Escape
  • The Barnstormer
  • The Magic Carpets of Aladdin
  • The Many Adventures of Winnie The Pooh
  • Tomorrowland Speedway
  • Tomorrowland Transit Authority PeopleMover
  • Under the Sea~Journey of the Little Mermaid

 

img_8898

img_8738

 

A pergunta que não quer calar:

-“Mila, como os cast members conseguem controlar quem fica ou não no parque neste dia específico?”

Simples: Antes mesmo do parque fechar às 7pm, os cast members ficam andando para lá e para cá falando para os guests que não farão parte da festa de halloween do Mickey que mais tarde o parque fechará às 7 para eles.

Todos os participantes da festa recebem uma pulseirinha logo na entrada e para os participantes que já estavam no parque desde cedinho, os tickets comprados por eles são trocados por pulseiras da festa. Às 7, cast members posicionam-se por todo o parque pedindo para ver as pulseiras. Se você não tem uma, será escoltado, elegantemente, até a saída.


Os preços variam de $72-$105 para adultos e $67-$100 para crianças ( 3-9 anos) taxa não inclusa. Crianças abaixo de 3 anos entram gratuitamente.

Em terra de sapo de cócoras com ele – Regras de como usar fantasia:

A Disney reserva-se no direito de negar a entrada ou retirar do parque quem estiver vestido inapropriadamente.

  • Guests podem fantasiar-se de seu personagem favorito, mas não podem tirar fotos ou assinar livrinhos de autógrafos;
  • Fantasias não podem ser ofensivas ou mostrar qualquer tipo de agressividade e violência;
  • Fantasias não podem conter armas que possam ser tidas como verdadeiras;
  • Fantasias não podem conter objetos pontudos que possam, por ventura, machucar outro guest.

Agora é só botar boneco (tradução do Cearês: se divertir) e fingir que é da realeza! Hahaha … eu fiquei até ajeitada de Queen Elsa morena, não foi não?

Beijooooooooooos gelados de Arendelle para vocês!!!
img_8791
1
Sep
2016
0

Disney investe em restaurantes sofisticados dentro dos parques

Essa ideia de que não se tem uma boa alimentação nos parques da Disneyworld ficou no passado. Tanto o Magic Kingdom quanto o Animal Kingdom inauguraram restaurantes, onde a gente toma bons drinques e prova várias delícias da culinárias mundo afora.

O Jungle Skipper Canteen conta a história dos skippers, um pessoal que adorava contar piada durante as viagens pelo Rio Nilo ou Amazonas. E já não era sem tempo, um local dentro do Magic Kingdom, mas precisamente na Adventureland, que a gente sentisse vontade de provar várias opções do menu.

Jungle Skipper Canteen

Para matar a sede, tão peculiar dos parques nessas épocas calorentas, tomem o Slush, o velho refresco da casa da nossa vó, mas de uma forma bem chique. Ele é feito com suco de maçã congelado e suco de maracujá. As bolinhas verdes que enfeitam o topo conhecidas por “bursting pearls” (pérolas que explodem) são feitas de maçã verde da Indonésia.

Slush

Das entradas fico com a House Made Arepas, que nos remetem a uma viagem pelo rio Amazonas, com feijão preto e queijo fresco. Para o prato principal, peçam o Trader Sam’s Head-On Shrimp, camarão e arroz selvagem. Aproveitem para complementar com o Skip’s Mac and Cheese, inspirado na culinária egípcia.

Já o Tiffins, inaugurado há dois meses, é um restaurante que celebra a arte e inspiração por trás do parque Animal Kingdom. Os “imagineers”, designers que inventam e implementam novos conceitos tecnológios na Disney, incorporaram o conceito de arte e também de souvenirs que eles colecionaram enquanto estavam na África planejando o parque temático.  

Há três galerias, ou salas de jantar: a The Grand Gallery, a Safari Gallery e a Trek Gallery.

A primeira é maior das três, e o tema refere-se aos animais propriamente ditos e a folk art, arte produzida por culturas indígenas ou camponeses.

A galeria Safari homenageia a parte leste e sul da África. Aqui encontramos renderizações e elementos do parque. Vejam só a exibição chamada “Electrified” (eletrizado), inspirada nos vários fios que se conectam para a obtenção de energia em Swahili Towns, comunidade medieval do leste da África.

Já a Trek Gallery representa a área asiática do parque. Nesta a escultura que me chamou mais atenção foi a Tibetan Prayer Flags (bandeiras de oração do Tibet), inspirada nas bandeirinhas que os imagineers viram voando pelo céu.

Tibetan Prayer Flags

Um detalhe importante é que antes de chegar na Trek, nós passamos pelo Nomad Lounge, um espaço para que viajantes e aventureiros provem petiscos e drinques. Peçam o The Night Monkey feito com purê de goiaba, rum e café. Se tiver frio na época, provem o Mustang Coffee, uma mistura exclusiva de café da grife Jeoffrey’s, whisky canadense (Royal Crown) e manteiga. A vista para a floresta e um minilago complementam a visita. Não dá nem vontade de sair de lá!

Nomad LoungeNomad Lounge - Vista

Quanto às entradinhas, pratos e sobremesas, peçam a Black-eyed Pea Fritters, o Grilled Head-on prawns (camarões gigantes) e a maravilhosa sobremesa de tapioca com maracujá, respectivamente.

Grilled head-on prawnsSobremesas

Quero voltar urgente só para repetir a dose do camarão e da tapioca.

Acreditem em mim! Quando a Disney esbanja é para botar para quebrar!

Já estamos com novidades chegando, o Flying Fish, antigo Flying Fish Cafe, no Disney’s Boardwalk. Aguardem as cenas dos próximos capítulos.

 

29
Aug
2016
0

Cirque du Soleil itinerante em Orlando

A Flórida é mesmo um estado versátil! Temos dois oceanos, o que não é para qualquer um (risos), parques temáticos para dar e vender, hotéis e restaurantes de alto quilate e a companhia de entretenimento canadense, Cirque du Soleil.
O Cirque du Soleil é classificado pela Peta, organização de defesa dos animais, como “animal-free”. Eles não usam animais, e sim, contorcionistas, músicos, dançarinos e acrobatas de altíssimo nível. O sucesso é tão gigantesco que o La Nouba, espetáculo fixo em Orlando, lota o teatro em shows de terça a sábado, nas duas apresentações, 6 e 9 horas da noite.
Teatro do La Nouba
Como nos velhos tempos, a companhia também tem shows intinerantes e um deles, OVO, dirigido pela brasileira Deborah Colker e tematizado no universo de insetos e sua biodiversidade, está vindo para o Amway Center dos dias 21 a 25 de setembro. A trilha sonora é composta e interpretada por brasileiros, explorando sonoridades da própria música brasileira.
Formigas
Estamos falando do mundo animal, mas serão artistas vestidos de formiga, grilos e vários bichinhos de inúmeras pernas. Os tickets começam em $35 (cerca de R$122) no ticketmaster.com
Na turnê pela Flórida, teremos shows em Estero de 28 de setembro a 2 de outubro e em Jacksonville de 5 a 8 de outubro.
Garanto que vocês jamais verão pulgas tão flexíveis (risos).
Insetos
8
Aug
2016
0

Faena District, o mais novo distrito de Miami

3, 2, 1…  Respirem fundo e preparem-se para adentrar em um mundo de fantasia situado no interior de Miami Beach, mais precisamente, conhecido por Faena Hotel.

Antes de sentirem a opulência da entrada, conhecida por “Cathedral” (catedral), sintam o aroma diferente que insiste em nos acompanhar cada abençoada vez que passamos por ali. A essência, “Faena scent”, está ali pairando no ar para deixar nossos sentidos aguçados, algo completamente desejado para complementar a visão de 8 murais com cenas de amor, guerra, paixão e natureza – obra de arte do artista argentino Juan Gatti – que se estendem do chão de mosaicos ao teto pintado com folha de ouro.

Circundada por essas obras de arte, que descrevem a personalidade do sr. Faena, uma passagem decorada com nove metros de tapete vermelho nos conduz a uma vista do mar azul. Se vocês conseguirem sair deste transe hipnótico, vão perceber que antes da visão do mar de Miami, portas abrem-se para uma escultura de esqueleto de mamute coberta com ouro 24-karat, no valor $18 milhões de dólares e, logo após, 9.000 metros quadrados de areia branquinha, sombrinhas vermelhas com branco e piña colada fresca enfeitam a Faena Playa.

Cathedral

 Murais de Juan Gatti

Escultura de mamute "Gone but not forgotten"

A grife Faena é obra do hotelier Alan Faena, visionário que acredita ter vindo de um mundo de sonhos e possibilidades. No entanto, ele veio mesmo foi de Buenos Aires, onde há 17 anos comprou terras em que ninguém enxergava potencial e, que hoje, converteram-se no famoso bairro Puerto Madero, muitíssimo visitado e conhecido por seus edifícios históricos, centros de arte e restaurantes.

Foi com esse mesmo pensamento utópico, que ele chegou a Miami e transformou uma área sem graça e esquecida de Miami no Faena District, uma faixa de terra frente mar na Collins Ave, entre as ruas 32nd e 36th. Sua idéia foi reconhecida como um distrito oficial da cidade pelo governo de Miami Beach e hoje engloba o Faena Hotel; Faena residências; o Casa Claridge’s – hotel boutique; o Faena Forum centro de artes; o Faena Bazaar, mercado para produtos exclusivos e o Faena Park, uma garagem robótica para carros serem estacionados por conta deles. – “‘É… o mundo dos Jetsons chegou! (risos)”.

 

Faena District

O check in é feito por iPads. Aliás, eles estão em todo lugar e do conforto da sua cama, você reserva restaurantes, apaga luzes, ler jornais do mundo todo ao toque dos dedos. No entanto, se você não quiser mover uma palha, chame seu “butler” (mordomo), que ele cuida de tudo por você! Vale ressaltar, que o Faena é primeiro hotel de Miami a trazer esse mimo.

A assinatura que adorna de travesseiros a baldes de gelo fica por conta do chapéu Fedora, marca registrada da vestimenta de Alan Faena. Dos 169 quartos, 111 são suítes com varandas que proporcionam vistas magníficas. Duas cores predominam na decoração: o vermelho Faena e um azul que combina com o Atlântico lá fora. O toque Art Deco foi trazido pelo cineasta Baz Lurhmann e sua esposa e designer Catherine Martin. Mini divãs com tecidos animal print enfeitam tapetes desenhados pela artista.

Fedora em todo lugar

Suíte

Banho delícia (risos)

Apaixonada por essas sombrinhas

O spa Tierra Santa, inspirado em regiões do Uruguay, ocupa um andar inteiro do hotel e traz técnicas de cura da América do Sul. O espaço boho ostenta poufs da designer Carolina K e um chandelier feito com iscas de pesca kaleidoscópicas é o ponto alto da sala de espera. O maior Hamman de Miami está aqui e a pedra de Amazonite que é usada para o banho promete energia positiva e muita coragem.

Tierra Santa - sala de espera

Relaxados após uma tarde no Tierra Santa? O hotel tem seu próprio teatro com musical estilo cabaret. O bar secreto ao lado do teatro só pode ser frequentado se reserva tiver sido feita. Dizem que Elvis Presley já tocou aí nos anos 60, quando o hotel ainda era conhecido por Saxony Hotel.

Teatro

Quanto aos restaurantes, chefs aclamados dão um toque na culinária. A magia tão peculiar ao lugar também dar o ar da graça no Living Room e no Veranda, restaurantes iluminados por “tempestades”, quando o chandelier por Alberto Garutti pisca cada vez que relâmpagos atingem os pampas argentinos. Celebridades mais modernas como Leo DiCaprio e Madonna foram vistos na área.

Veranda chandelier

Como vocês já puderam constatar através da minha narrtiva e fotos, o local é repleto de arte e há mais uma delas no meu restaurante preferido, o Pao. Um unicórnio embeleza o centro da sala principal, enquanto a gente se delicia com uma culinária asiática com pegada moderna.

Pelo amor de Deus peçam a salada da casa. “Sério, Mila? Vai em um restaurante com chef premiado para provar salada?” Sim, essa tem que provar. As folhas são “pintadas”com Kombu butter, uma manteiga com infusão de algas. Outros quitutes ficam por conta do Wagyu carpaccio e do Smoked shortrib asado com picles sazonais. “Um pouquinho da rib intercalando com o picle, por favor!” Chris, nosso atencioso “server” promete que os picles cortam a gordura da costela. Sonho com esse prato todos os dias (risos).

 

Pao

A tal salada dos céus!

Smoked shortrib

Arroz de leite

Já o Los Fuegos  garante uma vista para o mar e uma cozinha aberta servindo pratos feitos com a técnica de usar fogo criada pelo chef Francis Mallmann. Perto do bar colunas com conchas, búzios, corais e uma árvore da vida cercada de mosaicos com os mesmos motivos que sr. Faena tanto ama.

Los Fuegos - coluna de conchas

 

Na piscina muitos agradinhos como mousse de manga e blueberries e mais sombrinhas vermelhas e brancas das mais diversas padronagens. Reparem na de pompom… caí de quatro por ela (risos).

E que bom que caí… só caindo para sair dessa hipnose. Mergulhei, molhei meus pés naquele mar azul … tudo para conseguir acordar do sonho e apreciar a saudade que restou. Mas não adiantou, confesso (risos). Já estou matutando um bom motivo para retornar e achei: o Faena District promete está todo completo logo, logo. Mal posso esperar para conhecer o bazaar.

Diárias a partir de $745 + taxa (cerca de R$ 1.500)

 
Vista da piscina

Faena Playa

Vista da varanda

20
Jul
2016
0

O cupcake que conquistou o coração das celebridades de Hollywood abriu sua primeira loja em Orlando

Vou começar jurando que não sou a maior formiga da paróquia. Até já falei aqui que, por conta das minhas postagens no meu instagram, sou tida como uma maníaca compulsiva por doces. Mas não é bem assim. A verdade é que os aprecio, mas depois de comer um salgadinho. Ah! E devo ressaltar que sou apaixonada pela apresentação. Quanto mais rebuscado o prato da sobremesa, melhor!

Só que há um porém. Para comparar com os quitutes açucarados que minha senhora mãe faz, o doce tem porque tem que ser muito bom! E não pode passar do ponto! Presto atenção em tudo: desde a massa, a consistência, o cheiro e o limite do doce, que só uma mão bem prendada sabe dar. É… passei a infância pedindo a bacia da massa do bolo para lamber – quem nunca? (risos) – acabei virando expert!

É exatamente aqui que entra o cupcake da Sprinkles, a marca que virou sensação nos Estados Unidos. A massa é molhadinha, o confeito não tem cheiro de ovo ou manteiga e o doce é o doce do ponto!

Candace Nelson criou a primeira Sprinkles em Beverly Hills em 2005. Já são 20 lojas espalhadas pelo país e a massa propriamente dita sendo vendida em uma loja de artigos de cozinha super bem conceituada, chamada Williams-Sonoma. Em 2012 o primeiro “caixa eletrônico” – sim, sai cupcake, ao invés de dinheiro – foi inaugurado graças a uma conversa com o marido nas altas horas da madrugada sobre desejos, enquanto ela mesma estava gravidíssima.

Exterior

Interior

Pois bem. A de Orlando foi inaugurada há pouco tempo e fui lá não só para provar dos famosos bolinhos, mas, também, para aprender a confeitá-los no completo estilo Sprinkles de ser. Aproveitei e entrevistei Jodi, gerente geral e fiel escudeira da marca. Ela já abriu várias Sprinkles e a própria, literalmente, colocou a mão na massa para me ensinar sobre a “rodadinha” que fazemos com a espátula no confeito, antes de dar o último toque, que é colocar a “modern dot” (bolinha moderna), tão especial da marca e diferente em cada um dos sabores.

Aprendendo a confeitar

Minhas obras-primas

E, claro, uma entrevista cheia de perguntas que não querem calar, para que vocês fiquem por dentro de um monte de segredinhos da marca que recebe filas e mais filas de fãs, faça chuva ou faça sol.

 

MS: O que faz um cupcake Sprinkles ser especial? Como sabemos que é um Sprinkles?

JM: São os ingredientes finos que utilizamos na massa como sweet cream butter (manteiga de creme doce), chocolate meio amargo Belga, extrato puro de baunilha de Madagascar e frutas frescas. Nós preparamos a massa em porções pequenas durante o dia inteiro e a decoração é feita com granulado vindo da França. Será fácil identificar um cupcake Sprinkles pela técnica de “swirl” (“rodadinha” que falei acima) no confeito. Técnica essa, que leva horas e mais horas para ficar ideal.

MS: Qual o sabor mais popular? Há planos de incluir novos sabores?

JM: Nossa assinatura, sem sombra de dúvidas, é o Red Velvet, cupcake de chocolate vermelho com confeito de cream cheese (queijo cremoso). Nós introduzimos sabores sazonais durante o ano inteiro. Agora mesmo estamos com o lemon blueberry, massa de limão com pedaços de blueberry e confeito de limão.

 

MS: Vocês tem algumas celebridades fãs da marca. E se puder compartilhar, quais o sabores preferidos?

JM: Desde que abrimos nossa primeira loja em Beverly Hills caímos no gosto de celebridades. Oprah Winfrey, Blake Lively, Katie Holmes, Jessica Alba e Barbara Streisand são fãs e duas delas contribuíram para criar alguns sabores. Candace Nelson trabalhou com Blake Lively no Smores e com Jessica Alba no Swirl, uma mistura de baunilha e chocolate.

 

MS: Qual a hora mais cheia no dia/semana? Se alguém estiver com pressa como faz para matar a fome com um cupcake Sprinkles?

JM: Nosso horário aqui em Disney Springs é de 10 da manhã às 12 da manhã. O pico é durante a noite. Se alguém estiver com pressa pode usar a máquina ATM, ou ligar antes e fazer sua encomenda.

"Caixa eletrônico" de cupcakes

MS: Vocês fazem cupcakes customizados para festas de casamento e outros eventos especiais?

JM: Nós fazemos cupcakes com monogramas, fotos e caixinha de mensagens para todos os tipos de eventos.

 

MS: Nós estamos em terras Disney, onde a mágica acontece. Vocês pensam em criar um cupcake diferente ou um sabor específico para esta localidade?

JM: Nós estamos sempre criando novas opções. Fiquem ligados para novidades extras que lançaremos para a loja de Disney Springs.

Sprinkles - meu favorito!

Fotos: Bianca Schaefer Photography (@biaschaeferphotography)

30
Jun
2016
0

Restaurante da Disney com as melhores sobremesas

Por conta das minhas postagens aqui no Flórida e no meu instagram @cosmopolitando, todo mundo, repito, toda criatura pensa que sou uma formiga alucinada por doces (risos). Devo dizer, no entanto, que esse pensamento sobre minha pessoa não procede. Não que não goste de doces. Eu gosto! Acontece que pelo fato de apreciar mais os salgados, meu paladar ficou mais exigente para os doces. Vocês vão até ficar confusos depois deste preâmbulo todo, porque hoje vou dar ênfase às sobremesas, mais uma vez. Dá para entender? (risos). A única explicação que tenho para essa dicotomia é que a apresentação dos pratos doces são tão lindas, que não tem como não ceder a tanta formosura.

Importante adicionar que não é todo doce que me agrada não. Sou chata até dizer chega! Ainda mais quando se tem uma mãe que faz doces maravilhosos, como a minha! E outra, aqui nos EUA não é muito fácil achar sobremesa nota dez. Muitas delas tem sabor artificial e pela praticidade de se ter tudo em série, não são frequinhas.

Dito isso, é quase como se eu tivesse em uma caçada ao pospasto perfeito. Todavia, para a glória dos formigões de plantão que lêem este blog, essa perseguição acabou no dia que conheci o Cítricos, restaurante de culinária mediterrânea, aqui em Orlando. E olha que não sentei simplesmente para saber do que estou falando. Fui convidada para entrar na cozinha, conhecer os chefs e ver de perto a produção das sobremesas mais especiais do cardápio. Provei três e me apaixonei!

Cozinha Cítricos

Assisti a todo o processo de como enfeitar o prato com riscos e gotas, “massaricar” bananas, arrumar quenelles (ítem, como sorvete, em forma oval) e montar todo o misancene necessário para comermos, também, com nossos olhos. A minha sobremesa preferida foi a warm chocolate banana torte (torta de chocolate e banana). Além da apresentação com todo esse chocolate belga rebuscado, que faz alusão ao portal de entrada do restaurante, o gosto do chocolate com a banana e o sorvete é dos deuses! Tem que comer assim tudo misturado mesmo. Aí é que está a graça!

Arrumando...

Warm chocolate banana torte

Provando...

A torta de limão também ficou quase no empate. A casquinha de chocolate com o sorbet de tangerina davam um toque que só provando mesmo para entender. O tiramisu, com marcarpone italiano, estava bom. Devo confessar, porém, não ser muito fã de café. Mas para quem é, está aí uma ótima pedida!

Key lime pie

Provando...

Tiramisu

Por falar em ser fã de algo, volto a afirmar meu amor por salgados e, termino minhas dicas recomendando um prato salgado no Cítricos: o sautèed Florida rock shrimp, um prato de spaghetti com camarão, queijo feta e um nome, digamos assim, apropriado para o blog! (risos). Ah! Para um evento especial, considerem reservar o “Chef’s Domain” at Citricos. Um jantar privado para 12 pessoas com um menu feito pelo chef de cozinha, exclusivamente para o grupo. O mínimo de $800 (cerca de R$3.200) por grupo é exigido.

Chef's Domain at Cítricos

28
Jun
2016
0

Nova York em 48h

Ahhh minha Nova York… lugar que nem eu sei explicar porquê amo tanto! Acho que vou culpar a sensação de vida inserida naquele ruge-ruge que lhe é tão peculiar. Seja o vai e vem da cor amarela nas ruas, ou das bicicletas no Central Park. Não importa! Preciso sentir o ar da cidade, nem que seja, por alguns dias.

E não, gente, a Big Apple não desceu para fazer parte do estado da Flórida. Fui eu mesma que subi ao encontro dela, para matar a saudade que insiste em ocupar meu coração. Estão vendo como NY me deixa completamente de quatro? Chego a ficar ainda mais a mercê dela, quando me oferece tulipas por todos os lugares. Galanteada dessa forma, acabei descobrindo que a primavera é outra época maravilhosa para visitá-la.

Central Park na primavera

Convido vocês, então, a desfrutar Nova York através dos meus olhos por 48 horas. Saindo daqui da Flórida, a ida para lá é super fácil levando, apenas, 2h e meia. A Jetblue oferece vôos diários e aconselho chegar no LaGuardia, aeroporto bem mais próximo de Manhattan.

Desta vez, queria me sentir uma nova iorquina: ficar perto do Central Park, provar dos restaurantes que estão na boca do povo e, claro, andar de metrô. Na realidade, fiz bem mais do que isso e se, com tanta novidade, não conseguir colocar uma pitadinha dessa paixão na vida de vocês, não me chamo mais Mila (risos).

Fiquei hospedadíssima no Plaza Athénée, hotel boutique de luxo localizado em uma charmosa rua residencial 64th Street, entre a Park e Madison Avenue, no chic Upper East Side. O hotel tem sido casa da realeza, líderes mundiais, celebridades desde 1984. O lugar é tão bem localizado, que a gente fica assim na beira do Central Park e um pulo das boutiques de grifes famosas da Madison, além de galerias e museus.

Hotel Plaza Athénée

Quarto

A decoração é rica em estilo, com murais pintados à mão, mármore italiano e antiguidades francesas. Os 143 quartos e suítes têm Wi-Fi e serviço de quarto 24 horas. O restaurante oferece chá da tarde e, algumas vezes, o próprio é transformado em passarela – quando estava lá a grife Celine mostraria sua nova coleção. Nem pude conferir o desfile, porque já estava com tudo, meticulosamente, marcado. Apesar de que antes do meu jantar, fiz um breve passeio pelo Central Park para revisitar meus locais favoritos: o Castelo de Belvedere, os jardins de Shakespeare e a Bow Bridge.

Castelo de Belvedere

Bow Bridge

Segui para o Teisui, restaurante da moda, recentemente comentado no New York Times. O local só tem 17 assentos, que se dispõem em uma bancada em forma de “U”, com vista para a cozinha aberta. O menu de 10 courses, $150 (cerca R$525 com gorjeta inclusa) é preparado por um time de chefs japoneses e é tão elegante quanto o ambiente propriamente dito. Pratos incluem o Uni Royale, um creme de ovos, purê de edamame, foie gras e ouriço do mar e uma sopa de miso que, teatralmente, é colocada para ferver com pedras do Monte Fuji aquecidas a 700 graus. No entanto, quem me ganhou foi o Tsukune, almôndegas com gema de ovo, que parece tão simples, eu sei, mas o sabor era dos deuses japoneses!

Tsukune

Hassun: king crab, kiritanpo, chicken burdock, watercress goma-ae.

Miso com pedras do Monte Fuji

Anmitsu

Ainda não tinha 24h na cidade, quando acordei e de praxe pedi ovos Benedict para o café na cama.

Eggs Benedict

Aquele dia todinho seria especial, começando com uma massagem facial com uvas do Spa Caudalie, hotel Plaza. Jennifer, esteticista francesa, cuidou muito bem de mim e saí de lá com a pele tão viçosa, que pedi, pelo amor de Deus, que aquele efeito maravilhoso não fosse embora nunca. Teria ficado mais um tempinho no meio das uvas (risos), mas …

Caudalie Spa

… peguei o metrô grudadinho no hotel sentido downtown até a Prince st para ter uma aula de culinária com o chef da Ladurée, uma confeitaria francesa especialista em macarons desde 1962, localizada no Soho. Tive o prazer de conhecer Jimmy Leclerc, um chef francês jovem, extremamente simpático e paciente com quem não tem assim… muitos dotes confeiteiros (risos). E olha que me saí até bem, viu?!

São 2h de experiência. Na primeira hora, aprendemos a fazer o famoso Ispahan, um sanduíche de macaron com sabor de rosas, recheado de creme de lichia e decorados com framboesas e pétala de rosa.

O chef Leclerc nos transforma em chefs de patisserie como ele, nos entregando um toque blanche (chapéu de chef), o avental e a receita. Ele mostra todo o passo a passo e fica ali do ladinho fiscalizando como estamos nos saindo. Só falta pegar na sua mão e digo, a gente pensa que essa “mãozinha” é necessária no começo, porque fazer todos aqueles espirais com a massa do macaron, para quem não tinha nenhuma experiência como eu, foi intimidador. Porém com a prática, já estava fazendo até em formato de coração!

Com a mão na massa

Aprendi todos os segredinhos para confeccionar aquele macaron crocante e delicado tão típico da marca. Coloquei literalmente a mão na massa e provei do meu quitute com uma taça de champagne.  “-Merci, chef Jimmy!”

Fazendo espirais

Decorando

Na segunda hora, um chá com macarons de souvenir. Uma experiência única e que estará aberta ao público muito em breve por $200 (cerca de R$700).

E meu tempo como uma parisiense em NYC chegara ao fim. Peguei o metrô de volta, porque já tinha outro jantar marcado. Desta vez nas alturas, mas precisamente no 35° andar de um dos meus hotéis favoritos, o Mandarin Oriental. Se vocês já se imaginaram flutuando por entre os arranha-céus de Nova York é nesse restaurante, o Asiate, que vocês devem ir. Não bastasse a vista de tirar o fôlego (minha mesa foi escolhida a dedo), o jantar de 6 courses, em par com vinhos específicos para cada prato, é de deixar qualquer um morrendo de amor.

Asiate - Mandarin Oriental

Não há um só prato que não tenha passado pelo meu crivo e meus preferidos foram o Maine Lobster, lagosta servida com ameixa e o Hamashi Sashimi. A sobremesa, Rocky Road, um sorvete de chocolate com castanhas e marshmallow, foi servida de maneira elegante e estava igualmente saborosa.

O jantar com o wine pairing (vinho específico para cada course) é $250 (cerca de R$875).

Hamashi Sashimi

 

Rocky Road

Já quase terminando minhas 48h, incluí cultura e emoção no meu roteiro. Escolhi visitar o National September 11 Memorial Museum. Desde sua abertura em maio de 2014, milhões de pessoas de todo o mundo já o conheceram, a fim de tentar aproximar-se, de alguma forma, do inimaginável. Acredito que todos nós conseguimos lembrar onde estávamos no dia que tamanha tragédia aconteceu. Marcou a vida de muitas pessoas e famílias para sempre. Me emocionei em diversas áreas do local e fiquei bastante impressionada com a sensibilidade dos arquitetos do projeto.

 Reflecting Pools

As exposições do núcleo do museu estão localizadas em terra firme, sete andares abaixo do solo, permitindo que os visitantes possam estar no espaço que as Torres Gêmeas ocupavam. O museu não está simplesmente localizado na área onde os ataques aconteceram, como também ocupa um espaço onde remanescentes históricos permanecem. A lei de preservação federal determinou que aqueles restos fossem acessíveis ao público e o museu foi construído em um sítio arqueológico contemporâneo, cuja autenticidade do lugar foi totalmente integrada com a narrativa que se desenrola dentro dele.

National September 11 Memorial Museum


Há dois espaços de exposição principais: o In Memoriam, localizado na Torre Sul, que homenageia 2.983 homens, mulheres e crianças mortas nos ataques de 9/11. Na Torre Norte, a exposição histórica contando o dia dos ataques, o que aconteceu precedendo o ataque e como 9/11 continua a moldar o nosso mundo.

Definitivamente um lugar que deve ser visitado!

Mural azul - National September 11 Memorial Museum

 

Aproveitei a proximidade com a ponte do Brooklyn e fui dar um pulinho lá para conhecer. Era um sábado e famílias divertiam-se no Jane’s Carousel ou fazendo picnic logo ao lado.

Ponte do Brooklyn

 Jane's Carousel

A hora de dizer adeus a minha amada chegou. Mas antes, fiz uma paradinha na turística Times Square, para guardar na memória aquela vibração tão característica e, com isso, ver se aquietava meu facho. Mas não adiantou não… já quero voltar! Nova York faz mesmo o que bem quer de mim! Basta ela estalar os dedos, que eu volto!

 Times Square

 



1 2 3 48